EDUCAR PARA A INVESTIGAÇAO

Quando escutamos activamente o outro, aprendemos rapidamente que nada sabemos sobre ninguem…

Desde sempre na sociedade existiu exclusão e julgamento:

-As mulheres com intuiçao aguçada eram queimadas por serem consideradas bruxas.

– Jesus foi crucificado e vaiado por muitos dos seus seguidores, que influenciados pela VERDADE proclamada pelos Romanos acreditaram que era um IMPOSTOR ser do demónio e praticava bruxaria.

-Santa Teresa de Jesus, foi perseguida por elementos da Igreja, quando optou viver em estado de pobreza e meditação, a ostentação da igreja não lhe fazia sentido. Foi acusada de prepotencia e até bruxaria porque o estado de meditação puro que atingia lhe permitia aceder a informação unica.

-Ghandi foi preso e agredido vezes sem conta, por não ceder às regras dos ingleses por estas serem anti constitucionais, não aceitava aquilo a que outros por medo cediam.

-Nas provincias em Portugal durante a ditadura, existiam pessoas que voluntariamente entregavam às autoridades aqueles que não aceitavam viver sem liberdade. Mesmo sabendo que iriam ser torturados e até mortos, a troco de nada, entregavam-os.

-Homossexuais foram torturados e mortos pela Pide , porque estes convenciam a população de que estes eram doentes e possuidos pelo demónio, a ignoraância levava a que os entregassem à policia do estado para serem TRATADOS /ESPANCADOS/ VIOLADOS.

-Na alemanha, Hitler conseguiu convencer os alemães que os seus amigos judeus lhes estavam a roubar a riqueza nacional e prejudicar a economia. Judeus viviam na Alemanha perfeitamente integrados na sociedade mas esta campanha espalhada á época com cartazes, incentivava os Alemães a não comprar nas lojas dos judeus. O medo da pobreza foi instaurado e o povo respondeu à chamada e num pulo as lojas dos judeus fecharam e a comunidade começou a sentir-se enfraquecida, familias alemãs e judias que se relacionavam e dançavam juntas, como que por efeitos hipnoticos começaram a virar-se uns contra os outros.

-Nos Estados Unidos OSHO cria uma comunidade espiritual, a Ganância da espiritualidade OSHO levou a que pessoas que inicialmente se juntaram para evoluir espiritualmente , acabaram armados a e ocupar uma cidade pela lei das armas de fogo…

-A D Maria, uma cliente com 66 anos, antes de morrer procurou-me, queria partir em paz. Aos 16 anos foi expulsa da Aldeia onde nasceu por ter engravidado de um amigo, todos lhe apontaram o dedo, foi julgada por vizinhos, falada por todos e abandonada por os amigos, inclusive a melhor amiga… Viveu numa dor imensa quase até ao final da vida, não percebia porque motivo tinha sido rejeitada por todos… não cometera nenhum crime … mas sentia-se uma criminosa!

-Na primeira pessoa tive uma grande experiência sobre como funciona a sociedade e os seus “julgamentos”:

Aos dezanove anos após três meses de namoro, fui viver com um homem invisual (Cego) era uma homem conhecido. As pessoas dirigiam-se a mim como se fosse “Santa”, recusei sempre essa classificação. Explicava que para mim era normal ter casado com o homem por quem me apaixonei, ser cego era apenas um pormenor. Com o tempo percebi que não era bem assim pois a grande maioria faziam cálculos de cabeça sobre os relacionamentos e prespectiva de felicidade. Eu era uma NAIF. Por ter dado este passo, fui, durante muito tempo considerada BESTIAL por todos que nos rodeavam nas esferas sociais, profissionais e familiar. Passados 9 anos e após não aguentar mais o peso de uma relação que passou por grande violencia psiquica e emocional decidi divorciar-me. Foi o segundo momento fulcral para perceber o quanto as pessoas julgam o outro pelas escolhas individuais que faz. No plano profissional deixei de ser solicitada, a empresa era minha mas trabalhavamos juntos. Todos os amigos comuns ficaram do lado do agora ex-marido. Alguns politicamente mais correctos, por saber o quanto dificil era o relacionamento manifestaram secretamente o seu apoio. Só mais tarde percebi que o secretismo servia para os proteger de serem considerados bestas como eu fui. No momento do meu divórcio senti na pele a injustiça do julgamento, mas também percebi que o facto de inicialmente me considerarem bestial trazia a evidência que se fizesse algo fora desse contexto passaria ao seu oposto a BESTA que largou o cego.

Gosto de escutar pessoas, no entanto reconheço que na pratica de “Orientaçao Sistemica” aprendo muito sobre o antagonismo entre, como cada um chega consciente de que sabe muito pouco sobre si mesmo e ao mesmo tempo aponta o dedo às ações do outro, como se soubesse de tudo o que envolve as suas escolhas.

É este apontar massivo e inconsequente que assusta, porque é aproveitando a falta de visão e a generalização que se impulsionam as massas a apontar o dedo sem se questionar … Se não conhecem a si com que legitimidade apontam ao outro ? Com base em que experiência apontam o outro ?

Há muitos anos que defendo uma educação virada para a inteligência emocional, para o autoconhecimento, para a investigação sobre nós mesmos:

-Sobre o que pensamos e porque pensamos

-Sobre o que sentimos , porque sentimos e como podemos alterar

-Sobre as crenças que a nosa Criança ADOPTOU para sobreviver e já não nos serve, pelo contrário bloqueia

-Sobre a forma como olhamos para o Outro e porquê olharmos de certa forma e não de outra ?

É preciso educar para a INVESTIGAÇÃO , não são só os cientistas que investigam, se cada um de nós for educado a olhar para si e investigar os seus sentimentos, emoçoes e raivas, facilmente vai olhar para o outro sem o atrevimento de o julgar de apontar seja o que for porque vai ter consciência do que NÃO SABE.

Não existem negacionistas, nem carneiros, não existem certificados e não certificados. O maior poder de uma sociedade está em não se deixar DIVIDIR…

‘‘Divide et impera.” Frase de Filipe da Macedónia, usada também por Júlio César ou Napoleão. Usada como estratégia porque para estes a única forma de reinar sem contestação, sobre grandes territórios passava pela arte da divisão, porque um povo UNIDO é FORTE

Quando o povo se distrai em grupos de discordância enfraquece o grande grupo. O meu pai referia-se assim ao futebol e aos partidos políticos, enquanto amigos se zangam por causa da bola e ideologias partidárias, estragando belas amizades e minando momentos de prazer, os jogadores de equipas opostas cumprimentam-se e até passam férias juntos e os politicos almoçam todos juntos. O que o povo leva a peito os outros negoceiam…

Porque não nos devemos DIVIDIR

Temos de olhar uns para os outros, existe muita gente a passar mal passados quase dois anos de Pandemia com tendência a piorar, economica, emocional e psiquicamente. É preciso não nos desgastarmos e perder tempo com guerras de escolhas é preciso estar atentos e prontos para OLHAR para o OUTRO… se agirmos assim temos tudo para que possa correr BEM…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s