geração emoçao

Sou produtora há trinta anos.

Muitos dos que me conhecem, ouviram muitas vezes admirar a versatilidade cultural que encontrava no “publico” espanhol. Entre final dos anos 80 e até 1998 acompanhei grupos de musica “tradicional portuguesa” ,agora World Music, a diversos festivais na Galiza.

Fascinava-me observar o publico Juvenil que á tarde estava nos encontros de gaiteiros e pandereteiros, à noite nos festivais de musica celta e de madrugada a dançar ao som do recente “Techno”.

Este fascínio contrastava com a decepção que sentia em Portugal: A invasão da “musica Pimba” no inicio dos anos 90, segregava todos os espectáculos, programas de televisão e parecia não existir espaço para mais nada.

Não fui ao Rock in Rio. Mas segunda feira sentei-me em frente à televisão, com os meus filhos, para cuscar o que se passou e conhecer alguns dos fenómenos que por aí andam. Sobre os antigos já conheço as linhas com que se cosem, preferi observar os novos e este texto é sobre os fenómenos: Anitta e Post Malone. Estilos totalmente diferentes, complexidades cénicas distintas, estímulos e energias opostas.

O que mais me fascina na produção artistica é a capacidade de gerar emoções. Outros preferem os lucros de bilheteira, ou apenas a massa humana e a conquista de patrocinadores. Eu SEI que o publico procura emoções e por isso para mim produção é emoção e é isso que observo.

Independentemente de ser bom ou mau, gostei de assistir à mudança, evolução ou abertura mental do novo publico português, fez-me lembrar os galegos que eu tanto admirava. Eu não tenho de ser só Anitta para a dançar ou cantar, eu posso ouvir tudo sem que isso interfira na minha capacidade para ouvir e sentir outras coisas.

Foi muito bom observar o quanto o publico saltou de um palco em frenesim de cor, sedução, estimulo movimento e expressão sexual, mas vazio de conteúdo, para um palco vazio de pessoas, de cor, sem sedução ou movimento sexual mas cheio de verdade, amor, admiração e autenticidade .

Sobre Post Malone, poderia falar muito sobre a falta de presença de músicos, de ter um espectáculo em playback instrumental, de “auto-tune”, mas isso pouco importa quando vemos um HOMEM de calça preta, T-shirt e Tenis Allstar, encher um palco com 104 metros de comprimento e observar as expressões faciais de satisfação, perceber o impacto emocional das suas musicas nos nossos jovens como se estivesse cada um deles face to face com ele.

Ao observar a transição de um conteúdo para o outro, sabendo que há evidentemente alguma rotação de publico, mas também sabendo que muitos não sairam do lugar, respiro fundo, tenho esperança e acredito que as novas gerações tem uma forma diferente de consumir espectaculos, são mais abertos, menos preconceituosos, não se deixam encapsular numa só coisa. A Anitta não lhes retira nenhum pedaço, nem corrompe a sua capacidade de absorver algo maior e isso é muito bom e determinante para o futuro da qualidade artistica em Portugal e no mundo.

Talvez , após um fosso de alguns anos, estejamos a assistir ao surgir de novos monstros da composição, confirmando e afirmando novamente que a “Simplicidade é o ultimo grau da sofisticação”

Para o futuro, só ficam os que criam raizes no coração de cada um…

Grata Anitta, Grata Post Malone!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s